Você já ouviu falar em ginástica cerebral?

Na década de 1970, um pesquisador da Universidade da Califórnia (EUA) deu início a uma série de pesquisas que levaram à criação da ginástica cerebral. Paul Dennison é considerado pioneiro da pesquisa cerebral aplicada e criador da educação cinestésica. Suas descobertas foram baseadas na compreensão da interdependência do desenvolvimento acadêmico, físico e da aquisição da linguagem.

 

Assim, ao observar que essas áreas estavam ligadas entre si, o grupo de cientistas  coordenado por Dennison propôs que a estimulação de qualquer uma dessas áreas seria capaz de contribuir para o desenvolvimento das demais. A pesquisa científica realizada no laboratório acolheu princípios, filosofias e técnicas orientais, como tai chi chuan e ioga, para criar uma série de exercícios, que ao serem praticados diariamente têm a capacidade de “ligar” o cérebro de maneiras que possamos aproveitar todo seu potencial.

 

O cérebro é dividido entre dois hemisférios, direito e esquerdo, responsáveis por atividades e controles diferentes no corpo. Em linhas gerais, o hemisfério direito está associado ao raciocínio lógico, números e linguagem, enquanto o hemisfério esquerdo relaciona-se à criatividade, artes, emoções e imaginação. Para que funcionem com todo seu potencial, é importante ativar e estimular esses hemisférios, para que consigam trabalhar de forma simultânea.

 

A ginástica cerebral ativa, ao mesmo tempo, os dois hemisférios com base na educação cinestésica, melhorando a capacidade de aprendizagem, concentração, criatividade, leitura, escrita e raciocínio além de aumento no desempenho de atividades diversas, seja no trabalho, na escola ou na vida pessoal.

 

E o que meu cérebro vai ganhar com isso?


Praticando a ginástica cerebral todos os dias, você observará melhora na concentração, aumento da produtividade, alívio de tensões físicas e emocionais e ficará mais fácil atuar na resolução de problemas, agilidade para tomar decisões, além de melhora nas habilidades de aprendizagem, memória e raciocínio.

 

Mas como se pratica ginástica cerebral?

 

A ginástica cerebral pode ser realizada a partir de atividades que envolvam desafios matemáticos, raciocínio lógico, foco, memória e atenção. Você pode ainda turbinar essas atividades, associando movimentos mecânicos simples, como passar uma bola de uma mão para outra ao mesmo tempo em que resolve a atividade selecionada.

 

  • Faça coisas rotineiras de modo diferente, como mudar a localização de objetos dentro de casa ou escolher um caminho diferente para ir ao trabalho
  • Experimente ouvir uma música enquanto tenta identificar que instrumentos musicais estão sendo usados 
  • Escolha jogos que estimulem o raciocínio lógico, como os disponíveis na plataforma Afinando o Cérebro
  • Ao cozinhar, explore os aromas da cozinha e de seus pratos favoritos, associando à memórias

Nosso cérebro é capaz de ampliar e estabelecer novas conexões entre os neurônios por meio de diversos estímulos e isso acontece todos os dias. Por isso, aposte na ginástica cerebral para manter-se ativo e com o cérebro aquecido.

 

E você o que faz para manter seu cérebro ativo? Conte para nós, nos Comentários.

Copyright © 2021. Todos os direitos reservados