Ouvindo melhor com Afinando o Cérebro

No mês de setembro, o dia 26 é dedicado à população com deficiência auditiva. Nesta data, comemora-se o Dia do Surdo com o objetivo de propor reflexões em torno do tema, ampliar o debate sobre os direitos e a luta pela inclusão das pessoas surdas na sociedade.

 

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE)  mais de 10 milhões de pessoas têm algum problema relacionado a surdez, ou seja, 5% da população é surda. No mundo todo, segundo estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS), quase 900 milhões de pessoas podem desenvolver surdez até 2050.

 

A surdez é caracterizada como a redução ou ausência da capacidade de ouvir determinados sons e pode ser classificada em quatro tipos:

 

§  Condutiva – causada por um bloqueio na transmissão do som através do ouvido externo ou do ouvido médio

§  Neurosensorial – causada por problemas na orelha interna ou nas vias neurais

§  Mista – uma combinação das perdas auditivas condutiva e neurossensorial

 

O diagnóstico de perda auditiva é feito por meio de um exame chamado audiometria, realizado por um audiologista, capaz de testar os níveis de audição de cada orelha em diferentes frequências.

 

Como otimizar a audição diante de uma perda auditiva?

 

Em alguns casos, a pessoa com deficiência auditiva pode se beneficiar de próteses auditivas ou de um implante coclear. Logo após o início do uso, a sensação de ouvir vem à tona mas nem sempre de modo confortável e algumas pessoas podem ter dificuldade de se adaptar a este novo mundo repleto de sons.

 

Isso acontece porque pode haver uma alteração na forma como seu ouve, os sons parecem altos demais, distorcidos ou abafados. Essa alteração está ligada ao fato de que não ouvimos somente com a orelha, mas também com o cérebro gerando uma alteração no processamento auditivo central.

 

Tanto as próteses auditivas como o implante coclear atuam inicialmente como amplificadores do som, permitindo que um som que não era ouvido antes ou que precisasse de muita intensidade, passa a ser ouvido mas nem sempre com qualidade indicando alteração nas habilidades auditivas.

 

As habilidades auditivas são responsáveis por um conjunto de processos que vão da detecção à interpretação das informações sonoras. Governadas pelos centros auditivos do tronco cerebral e do cérebro, são elas que nos permitem uma comunicação eficiente para que consigamos prestar atenção, discriminar, organizar, associar, integrar e armazenar o que ouvimos, para então compreendermos o significado das mensagens corretamente. 

 

Para que servem as habilidades auditivas

As habilidades auditivas podem ser agrupadas em cinco áreas gerais: atenção, discriminação, associação, integração e organização. São elas que nos permitem:

  • Concentrar em um determinado estímulo sonoro, ignorando o ruído de fundo, como em um espaço de trabalho coletivo ou na sala de aula
  • Saber a direção de um som, como quando ouvimos uma buzina ao atravessar a rua
  • Perceber a diferença entre os sons falados em palavras semelhantes, como “tia” e “dia”
  • Conseguir, a partir de uma informação incompleta, completar subjetivamente a mensagem, como quando ouvimos apenas parte da palavra e, assim mesmo, compreendemos o que foi dito
  • Compreender frases com duplo sentido
  • Seguir uma sequência, organizar e recordar aquilo que ouvimos
  • Aprender um novo idioma
  • Perceber a intenção comunicativa pelo tom da voz, como quando em uma conversa telefônica, perguntamos a alguém se está tudo bem, e pela entonação da voz de nosso interlocutor, sabemos se está mesmo tudo bem, ou não 


É possível estimular as habilidades auditivas


Isso mesmo. As habilidades auditivas podem ser aprimoradas com treinamento e há diversas maneiras de estimulá-las, inclusive em pessoas com deficiência auditiva usuários desses aparelhos ou implante coclear. Assim, um treinamento auditivo pode ser uma boa opção para desenvolver e aprimorar as habilidades auditivas de usuários de prótese auditiva ou implante coclear, proporcionando maior capacidade de discriminação e compreensão da fala.

O treinamento auditivo baseia-se na capacidade que o cérebro tem de modificar após estimulação adequada, por meio da neuroplasticidade.


Com o Afinando o Cérebro, os usuários de próteses auditivas e implantes cocleares terão à disposição uma plataforma online com mais de 150 atividades dedicadas exclusivamente à estimulação das habilidades auditivas, por meio de jogos  destinados a todas as idades.

Conhece alguém que se beneficiaria com essas informações? Encaminhe o link agora mesmo para que ela possa descobrir um mundo de novas possibilidades com o Afinando o Cérebro.

 

Copyright © 2021. Todos os direitos reservados